Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Notícias > 2019 > 02 > PF investiga servidor por suposto esquema de propina em contrato do DEPEN

Notícias

PF investiga servidor por suposto esquema de propina em contrato do DEPEN

Operação PF - Rio Grande do Norte - Operação Tu Quoque Brute

Operação Tu Quoque Brute combate corrupção e prende servidor público federal em Mossoró
por fatima.mfco publicado: 26/02/2019 10h21 última modificação: 26/02/2019 10h21
Arquivo PF

Arquivo PF

Natal/RN – A Polícia Federal deflagrou hoje (26/2) a Operação Tu Quoque Brute*, visando apurar suposta prática de atos de corrupção por parte de um servidor do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), que era o responsável pelos procedimentos licitatórios na Penitenciária Federal, na cidade de Mossoró, Região Oeste Potiguar, a 290 km da capital.

Cerca de 20 policiais federais cumprem seis mandados judiciais de busca e apreensão expedidos pela 8ª. Vara da Justiça Federal em Mossoró, além de um mandado de prisão preventiva, um mandado de intimação e um mandado de intimação de cautelar diversa de prisão.

A investigação apurou indícios de que um agente penitenciário federal solicitou vantagem financeira (propina) de uma empresa para tornar possível a formalização de contrato junto àquela unidade prisional e, para isso, teria falsificado documentos públicos e dispensado, indevidamente, o processo legal de licitação.

Todos os supostamente envolvidos responderão pela prática dos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica, cujas penas somadas podem chegar a 17 anos de reclusão e, ainda, pelo crime de dispensa de licitação, com penas de até 5 anos de detenção, além de multa.

 

 

                                                                                          Comunicação Social da Polícia Federal no Rio Grande do Norte

                                                                                                                    cs.srrn@dpf.gov.br | @pfnorn | www.pf.gov.br

                                                                                                                                                                    Contato: (84) 3204.5588

 

(*) Escrita em Latim, o nome da operação é alusivo ao fato de uma pessoa trair a confiança de outra, cuja expressão tem origem ligada à história da Idade Antiga, quando o imperador romano Júlio César foi vítima de uma conspiração para tirá-lo do cargo. Entre eles estava o seu filho adotivo Marcus Brutus. O complô resultou no assassinato do imperador que na hora da morte, reconheceu o filho entre os seus algozes e proferiu a frase: "Até tu, Brutus?".