Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Notícias > 2019 > 06 > Operação Camaleão investiga esquema de sonegação de impostos em Alagoas

Notícias

Operação Camaleão investiga esquema de sonegação de impostos em Alagoas

Operação PF

PF deflagra fase ostensiva e dá cumprimento a dois mandados de busca e apreensão
publicado: 19/06/2019 09h14 última modificação: 19/06/2019 09h14

Maceió/AL - A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (19/6), a fase ostensiva da Operação Camaleão, para dar prosseguimento a investigações que apuravam conduta de empresário do ramo do comércio, que teria transferido empresa em seu nome para terceiros, em Alagoas.

Policiais federais deram cumprimento a com o objetivo de dar cumprimento a dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal, nos bairros Jatiúca e Eustáquio Gomes, em Maceió/AL.

Iniciadas em 2015, as diligências policiais indicavam que o proprietário de um supermercado, localizado no Conjunto Eustáquio Gomes, em Maceió/AL, estaria, há vários anos, colocando a empresa em nome de “laranjas”, com o fim de sonegar tributos. No decorrer das apurações, a empresa já foi transferida para o nome de várias pessoas, todas de origem humilde, sendo uma delas, inclusive, morador de rua da cidade.

As investigações buscam apurar possível cometimento dos crimes de sonegação fiscal (art. 1º, I e II, da Lei 8137/90), falsificação de documentos (art. 297 do Código Penal), formação de quadrilha (art. 288, do CP), entre outros crimes cujas penas máximas somadas ultrapassam 19 anos de prisão.Até o momento, as apurações indicam que os prejuízos para os cofres públicos podem ultrapassar 10 milhões de reais.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Alagoas

Contato: (82) 3216-6723/6729 ou (82) 9327-7671

scs.sral@gmail.com ou imprensa.al@dpf.gov.br

 

***O nome da Operação é uma alusão ao fato de que o camaleão muda de cor como uma forma de se disfarçar, de enganar os predadores e as vítimas para não ser identificado no ambiente. O investigado mudava o "dono" das empresas que na verdade eram suas e se disfarçava como empregado, para que não fosse identificado pela fiscalização tributária.