Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Notícias > 2019 > 10 > PF desarticula quadrilha de exploração ilegal de madeiras em Rondônia

Notícias

PF desarticula quadrilha de exploração ilegal de madeiras em Rondônia

Operação PF

Operação Pudim investiga servidores públicos envolvidos na atividade ilegal
por publicado: 25/10/2019 14h28 última modificação: 25/10/2019 14h28

Porto Velho/RO - A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (25/10), em parceria com Ministério Publico Federal, a denominada Operação Pudim, com o objetivo de desarticular uma quadrilha responsável pela exploração ilegal de madeiras na região da Ponta do Abunã (distritos de Extrema, Abunã e Nova Califórnia), no município de Porto Velho/RO, com a participação de servidores públicos federais e estaduais que recebiam propina para viabilizar a atividade ilegal.

Cerca de 60 policiais federais cumprem 15 mandados de busca e apreensão nas cidades de Porto Velho/RO (Distritos de Extrema e Vista Alegre do Abunã) e Candeias do Jamari/RO. Um mandado de prisão preventiva já havia sido cumprido em 23/10/19. Todas as ordens judiciais foram expedidas pela 5ª Vara da Justiça Federal de Porto Velho/RO.

O trabalho de investigação teve início com a apreensão de R$ 4 mil escondidos nos pertences de servidores do Ibama que realizaram fiscalização na região, em agosto de 2016, e telefones celulares, o que possibilitou identificar a existência de grupos de aplicativos de mensagens criados na região para alertar a realização de fiscalização de órgãos ambientais, bem como para arrecadar e  efetuar o pagamento de propina a diversos servidores, a fim de possibilitar a continuidade do esquema fraudulento de exploração ilegal de madeira na região.

Identificou-se a existência de dois grupos utilizados para viabilizar uma rede de proteção a madeireiros criminosos da região, com a arrecadação mensal de recursos que era repassado ao ex-chefe do escritório da SEDAM em Extrema, além da contribuição eventual, de acordo com a existência ou não de operação de fiscalização na área, o qual seria rateado entre servidores dos órgãos de fiscalização que participavam do esquema criminoso.

Os indiciados responderão, na medida de sua participação, pelos crimes de associação criminosa (artigo 2º, caput e §§ da Lei nº 12.850/2013), corrupção ativa e passiva (artigos 333 e 317 do Código Penal) e crimes ambientais (artigos 46, 50-A, 68 e 69 da lei 9605/98).

O termo PUDIM é alusão ao nome utilizado pelos criminosos do valor arrecadado ilegalmente para pagamento de propina aos servidores públicos.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Rondônia/RO

Contato (69) 3216-6242