Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Notícias > 2019 > 12 > Polícia Federal deflagra 70ª fase da Operação Lava Jato

Notícias

Polícia Federal deflagra 70ª fase da Operação Lava Jato

Operação Óbolo conta com a participação do MPF e cumpre 12 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo e Niterói
por publicado: 18/12/2019 08h53 última modificação: 18/12/2019 08h53

Curitiba/PR - A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (18/12), com o apoio do Ministério Público Federal, 70ª fase da Operação Lava Jato, denominada Óbolo. A nova fase é continuidade de investigações que remontam ao início da Operação Lava Jato (2014) e objetiva a coleta de provas de crimes de corrupção de agentes públicos, organização criminosa e lavagem de capitais relacionados a contratos de afretamento de navios celebrados pela Petrobras e sob responsabilidade da Diretoria de Abastecimento da empresa pública.

Cerca de 50 Policiais Federais cumprem 12 mandados de Busca e Apreensão, sendo 1 em São Paulo/SP, 10 no Rio de Janeiro/RJ e 1 em Niterói/RJ, com o objetivo de colher evidências do envolvimento de empregados vinculados à Diretoria de Abastecimento e Logística e Gerência de Afretamentos da Petrobras com atos de corrupção e lavagem de dinheiro. Buscam-se, ainda, provas de corrupção por parte de pessoas e empresas que aparecem nos negócios investigados como intermediários (brokers) e teriam corrompido funcionários da estatal para garantir negócios de fornecimento de transporte de produtos para a Petrobras.

Há suspeitas de que algumas empresas teriam sido beneficiadas com informações privilegiadas acerca da programação de contratação de navios utilizados para transporte marítimo de petróleo e derivados da empresa, de forma que tiveram valiosa vantagem competitiva na captação dos negócios. Em contrapartida, há evidências de pagamentos de propina a empregados da empresa pública.

De acordo com a investigação apenas três empresas que são alvos de mandados, nesta fase, estabeleceram mais de 200 contratos de afretamento de navios, entre os anos de 2004 e 2015, em valores que ultrapassam 6 bilhões de reais, sendo a remuneração de corretores intermediários (brokers) determinada pela atividade de aproximação entre os armadores de navios (owners) e a Petrobras. A suspeita do pagamento da corrupção recai sobre os valores recebidos pelos corretores intermediários que, mesmo estabelecidos em uma pequena porcentagem dos contratos, alcançam vultosas somas de dinheiro e - apura-se - contribuíram para abastecer esquemas de corrupção sistemática reiteradas vezes demonstrados ao longo da Operação Lava Jato.

O nome da Operação faz referência à moeda que, de acordo com a mitologia grega, era usada para remunerar o barqueiro Caronte, que conduzia as almas através do rio que separava o mundo dos vivos dos mortos.

Será concedida entrevista coletiva à imprensa, às 10h, no auditório da Superintendência Regional da Polícia Federal em Curitiba-PR.

 

Comunicação Social PF/PR
Telefone: (41) 3251-7810