Você está aqui: Página Inicial > Imprensa > Notícias > 2020 > 03 - Notícias de março de 2020 > Casal preso pela PF por tráfico de pessoas é condenado a 8 anos de reclusão

Notícias

Casal preso pela PF por tráfico de pessoas é condenado a 8 anos de reclusão

Casal de equatorianos mantinha duas mulheres, de mesma nacionalidade, sob regime de trabalho análogo ao de escravo na capital paulista
por publicado: 06/03/2020 12h00 última modificação: 08/03/2020 12h25

São Paulo/SP - Uma prisão realizada pela Polícia Federal, em novembro de 2019, através de um esforço de cooperação internacional, resultou, na última sexta-feira (06/03) na condenação de um casal equatoriano a 8 anos de reclusão.

O casal de equatorianos foi preso acusado de praticar tráfico de pessoas, ao introduzirem no Brasil duas mulheres, também equatorianas (uma maior de idade e sua prima adolescente) e submetê-las a trabalhos forçados e à condição análoga a de escravo, na capital paulista.

Tal ocorrência teve início através de pedido de cooperação policial internacional, formulado pela Rede ISON – INTERPOL Specialized Operational Network. No dia 08 de novembro do ano passado, a Polícia Nacional do Equador, ao tomar conhecimento de que uma adolescente equatoriana se encontrava em regime de trabalho forçado na cidade de São Paulo, entrou em contato com a Rede ISON (INTERPOL), sendo atendida prontamente pelo representante brasileiro da rede.

Acionada, a Polícia Federal imediatamente instaurou inquérito policial, efetuou diligências que confirmaram o endereço da casa, a entrada da adolescente em território brasileiro e representou pela busca e apreensão no local indicado. Já no dia seguinte, uma ação da PF resgatou as vítimas de uma residência em São Paulo, onde estavam submetidas ao regime de trabalho forçado com restrição de locomoção, submetidas a vigilância ostensiva e sem remuneração.

O casal responsável pela residência foi preso em flagrante. Com o apoio da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania e do Ministério Público do Trabalho, a adolescente foi encaminhada a um abrigo e a sua prima foi hospedada em um hotel, sendo repatriadas ao Equador dias depois.

A condenação do casal, três meses após sua prisão em flagrante, é uma demonstração de eficiência da justiça brasileira e da efetividade da cooperação internacional.

Comunicação Social da PF
61 2024 8142